Artigos recebidos

Boaventura de Sousa Santos – A ilusória “Desglobalização” – Outras Palavras – out. 2017 3p.

No desgoverno geral que caracteriza a época, aparece com força o desajuste entre a globalização por um lado, e a fragmentação por outro. Os próprios governos tornam-se em boa parte impotentes e as populações frustradas. Boa análise do Boaventura publicada no site Outras Palavras.
Leia mais

Laura Flanders – Next System Media: an Urgent Necessity – 13 Oct. 2017

The Next System Project nos Estados Unidos constitui uma plataforma que unifica pesquisas sobre as transformações necessárias para uma sociedade que funcione. O que está implícito no nome do movimento, é que o sistema atual já não responde. Aqui, em cerca de 10 páginas, uma das produções do Next System, sobre como repensar o sistema de comunicação e informação para a cidadania, frente ao oligopólio hoje constituído. O problema, evidentemente, não é só nosso. Bom material, em inglês.
Leia mais

JAŚ KAPELA – OTUCHA: PROMYCZKI, CZYLI SKĄD BIORĘ NADZIEJĘ W ŚWIECIE ZMIERZAJĄCYM DO ZAGŁADY – 2017

Przyjemnie myśleć, że jeśli nawet wytniemy wszystkie lasy, zatrujemy wszystkie morza i wpuścimy tyle dwutlenku węgla do atmosfery, że planeta Ziemia przestanie być zdatna do życia dla ludzi, niebo wciąż będzie piękne.
Leia mais

Hazel Henderson – Fintech: Good and Bad News for Sustainable Finance – Pesquisa & Debate PUC-SP – out 2017 – 15p.

A transformação do mundo das finanças pela tecnologia é profunda. A revista Pesquisa e Debate, da Pós-graduação em Economia Política da PUC-SP, publicou no seu último número um artigo particularmente importante que me foi enviado por Hazel Henderson, economista de primeira linha nos EUA, autora aqui do conhecido Construindo um mundo onde todos ganham (Win-Win) -  Essas transformações, que incluem inovações como as bitcoins mas também um conjunto de outras mudanças, hoje são chamadas resumidamente de FINTECH, (Financial Technologies). É uma rara oportunidade esta visão das tendências, 15p. em inglês.
Leia mais

Amyra El Khalili – A construção de outro modelo de finanças depende de uma estratégia socioambiental – fev. 2017 – 2p.

"Os mercados futuros deveria ter por função “fixar preço” para prevenir riscos de uma quebra de safra, crises politicas e econômicas, crises climáticas e desastres naturais, entre outros fatores imprevisíveis, capazes de provocar aumentos estratosféricos ou baixas expressivas nos preços, prejudicando custos, com isso provocando desemprego, falência de indústrias, de produtores e prestadores de serviços (hedge/proteção)", escreve Amyra El Khalili, professora de economia socioambiental. Economista com mais de duas décadas de experiência nos mercados futuros e de capitais, Amyra é fundadora do Movimento Mulheres pela P@Z! e da editora da Aliança RECOs – Redes de Cooperação Comunitária Sem Fronteiras. É também autora do e-book “Commodities Ambientais em Missão de Paz: Novo Modelo Econômico para a América Latina e o Caribe”.
Leia mais

Lee Fang – Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana – The Intercept Brasil – agosto 2017

The Intercept Brasil: UMA GUINADA À DIREITA está em marcha na política latino-americana, destronando os governos socialistas que foram a marca do continente durante boa parte do século XXI – de Cristina Kirchner, na Argentina, ao defensor da reforma agrária e populista Manuel Zelaya, em Honduras –, que implementaram políticas a favor dos pobres, nacionalizaram empresas e desafiaram a hegemonia dos EUA no continente.
Leia mais

Antonio Martins – A Era do Capital Improdutivo e como superá-la – agosto 2017 – 2p.

Resenha de Antonio Martins, do Outras Palavras, sobre meu novo livro "A Era do Capital Improdutivo". O livro traz a síntese dos estudos que venho fazendo nos últimos anos sobre o sistema financeiro. Trabalho com dados e pesquisas recentes que demonstram a necessidade de regulação desse sistema. Não se trata de acabar com os bancos, mas de exigirmos processos regulatórios que controlem o imenso poder que hoje as corporações detêm. Um poder que, sem ser eleito, derruba democracias, impede que governos realizem políticas públicas, asfixia a capacidade de investimento das empresas nacionais e reduz drasticamente a renda das famílias e de cada um de nós. Um poder que se autofinancia por meio da especulação e se torna cada dia mais forte. Sua fragilidade, porém, é óbvia: trata-se de um capital improdutivo. Um sistema criado e fortalecido às custas de quem trabalha e efetivamente produz, cujo poder depende do desconhecimento da população que nada sabe sobre os mecanismos do sistema financeiro. Este trabalho é uma contribuição neste sentido. Neste próximo semestre, ocorrerão lançamentos em vários estados, vou avisando vocês por aqui. Quem quiser adquiri-lo, basta clicar em: http://autonomialiteraria.com.br/…/a-era-do-capital-improd…/.
Leia mais

Joseph E. Stiglitz – As reduções fiscais para os ricos não resolvem nada – Project Syndicate – ago 2017

Nota importante de Joseph Stiglitz, "Nobel" de economia, que traz uma ideia simples mas da maior importância. Aumentar o fluxo de recursos para os mais ricos - por exemplo pela redução dos seus impostos ou a sua eliminação como no Brasil através da isenção dos lucros e dividendos - não aumentará o investimento, pelo contrário, drenará mais recursos para a especulação financeira. A razão é simples: hoje, a aplicação financeira rende mais do que o investimento produtivo. O que dinamiza uma economia, pelo contrário, é o aumento de renda na base da população, pois se transforma em demanda, e esta demanda estimulará o investimento, e aí sim o crédito será produtivo.
Leia mais

Silvio Caccia Bava e Jorge O. Romano: Vamos falar de populismo – Le Monde Diplomatique Brasil – jul 2017

claudius120_baixaVejam o excelente editorial do Diplô deste mês de julho, sobre os nossos desequilíbrios políticos e "a perda de confiança na capacidade do sistema político de restaurar a ordem social". Visão ampla, bons dados, o texto ajuda a entender os desafios. Não percam, está nas bancas.
Leia mais

Antonio Lacerda e André Ramos: “Juros da dívida pública federal equivalem a 9 vezes o investimento” – Boletim Acompanhamento Econômico PUC-SP – jul 2017 – 2p.

Estudo de Antonio Corrêa de Lacerda e de André Paiva Ramos, da PUC-SP, que mostra que os gastos do governo federal com o financiamento da dívida pública devem ser quase nove vezes maiores do que os investimentos realizados pelo Executivo nacional neste ano. A estimativa é que as despesas com o financiamento cheguem a R$ 379 bilhões até o fim de 2017, enquanto os investimentos não passarão de R$ 44 bilhões. Ou seja, os nossos impostos, em vez de servirem para investimentos, são desviados para os agentes financeiros que detêm títulos do governo. São cerca de 7% do PIB tirados da economia real. O estudo foi tema de reportagem no Valor Econômico, "Gasto com financiamento da dívida será quase 9 vezes superior ao total investido" (17.07.2017)
Leia mais

David Wallace-Wells – The Uninhabitable Earth – NYT – jul 2017 – 5p.

Artigo do New York Times sobre a crise climática que está tendo grande repercussão. Não se trata de assunto de ambientalistas e sim de uma crise humanitária, dos impactos sobre os nossos equilíbrios alimentares, a contaminação dos mares, as explosões de violência, a desorganização econômica. O artigo foca em particular a nossa dificuldade de enfrentarmos ameaças sistêmicas e de longo prazo. Texto muito forte e bem informado, um apanhado global particularmente interessante. (NYT, inglês, 5p.)
Leia mais

A reconstrução de um projeto democrático e nacional para o Brasil – FESP-SP/Clube de Engenharia RJ – junho 2017 – 92p.

Publicação editada pela Cátedra Celso Furtado, da Fundação Escola de Sociologia e Política de SP, e pelo Clube de Engenharia do RJ, que reuniu uma coletânea de textos Manifestos que discute e apresenta propostas para um desenvolvimento inclusivo, democrático, mais igualitário e autônomo do País. São textos/manifestos produzidos em reunião da própria cátedra; produzido por inciativa do Prof Bresser Pereira; pela bancada do PT no Congresso; pela Frente Parlamentar Nacionalista presidida pelo senador Roberto Requião, todos de 2017; e um manifesto de 2011 assinado por sindicatos de trabalhadores e patronais.
Leia mais

Unesco – Concentration of media ownership – 2017, 32p. 

A Unesco publica uma excelente e sintética análise da concentração do controle da mídia no mundo, com a erosão da democracia que isto implica: uma sociedade desinformada ou manipulada fica desorientada. Citação divertida do Economist dá uma ideia do conteúdo:"O semanário britânico The Economist, por exemplo, tem chamado a mídia local brasileira de "mini-Berlusconis'"(p.13) O documento traz excelentes dados nesta área tão deformada e tão vital para a nossa democracia. A América Latina muito presente nesta análise. (em inglês, 32p.)
Leia mais

Thomas Piketty, Emmanuel Saez and Gabriel Zucman – A tale of two countries – 6 December 2016 – Washington Center for Economic Growth (3p)

Um texto curto e de excepcional qualidade traz o estudo de três pesquisadores importantes sobre as formas de irmos além da cifra grosseira que representa o PIB, construindo o que chamaram de 'distributional national accounts', metodologia que permite avaliar não só os fluxos brutos mas como evolui a renda dos 50% mais pobres, do 10% mais rico e dos 40% no meio que qualificam de classe média. Além de mostrar o absurdo dos ganhos de renda sobre aplicações (e não de produção) no topo da pirâmide social e a consequente desigualdade, aponta para as mudanças necessárias na contabilidade nacional.
Leia mais

Joseph E. Stiglitz e Mark Pieth – Superando a Economia Paralela – Friedrich Ebert Stiftung – Fev. de 2017 – 36 p.

Um artigo demolidor e muito bem documentado sobre os paraísos fiscais, por parte de dois especialistas, tanto Mark Pieth por seus estudos, como Joseph E. Stiglitz que começou a luta com os fluxos ilegais quando era economista-chefe no Banco Mundial. O ponto de partida é simples:enquanto houver territórios onde os recursos ficam em sigilo e não pagam impostos, ou não precisam explicar origem, os recursos financeiros fluirão naturalmente nesta direção. A desorganização é compreensível: "A globalização resultou em uma economia global, mas não em um governo global." O estudo mostra que não se trata de dinheiro que escapa do sistema e se esconde, e sim de um mecanismo que deforma o conjunto do sistema que passa a trabalhar na opacidade. Leitura essencial, a Friedrich Ebert presta um excelente serviço ao apresentar este estudo em português. Lembremos que o Brasil tem em paraísos fiscais mais de 500 bilhões de dólares.
Leia mais



Parceiros

© 2017 Ladislau Dowbor. Criação WowBrazil | Tema original Feelsen por Sérgio Vilar