Acontecendo agora

Entrevista Dowbor – Paradoxo na economia: “a gente sabe o que funciona e estamos fazendo exatamente o contrário” – Marco Weissheimer/Portal Sul 21 – 20.11.2017 – 3p.

"Um bilionário que aplica seu dinheiro a 5% ao ano ganhará 137 mil dólares por dia. Ele não consegue gastar tudo e esse dinheiro é reaplicado, fazendo com que, a cada dia, o juro sobre o estoque de recursos aumente. Temos aí uma expansão que, em termos financeiros, se chama efeito bola de neve. Esse efeito faz com que grandes fortunas passem a ter muito mais dinheiro do que conseguem gastar sem precisar desenvolver nenhuma atividade de produção concreta de bens e serviços. Ou seja, ele não está sendo útil para a sociedade", explica Dowbor em entrevista concedida ao jornalista Marco Weissheimer do portal Sul 21.
Leia mais

Felipe Morais de Oliveira – Bases informacionais para o desenvolvimento – Dissertação de mestrado em Economia Política, PUC-SP, outubro de 2017 (Orientador Ladislau Dowbor)

Interessante pesquisa de mestrado em economia na PUC-SP, sobre os indicadores de desenvolvimento. Bem documentado e com boa bibliografia, o trabalho constitui boa fonte para quem pesquisa formas de ultrapassar as visões simplificadoras do desenvolvimento, por exemplo centradas apenas no PIB. A dissertação de mestrado de Felipe Morais de Oliveira – "Bases informacionais para o desenvolvimento" – foi orientada por Ladislau Dowbor e defendida em outubro de 2017.
Leia mais

Ivo Lesbaupin e Evanildo da Silva (orgs.) – Para além do desenvolvimento – Abong/Iser, São Paulo, 2017, 165p. – ISBN 978-85-88502-14-7

Ainda há pouco tempo se proclamava o fim da história e que "não havia alternativas". Teríamos inventado o sistema funcional definitivo. Da crise de 2008 para cá, ampliam-se os desastres sociais, ambientais, econômicos e políticos. Buscar alternativas é essencial. O presente trabalho reúne várias visões, de uma dezena de pesquisadores, sobre os novos caminhos. Envolve desde os novos conceitos de desenvolvimento até as mudanças de paradigmas na gestão da energia e da água, ou ainda as novas experiências de governança das cidades. No conjunto um livro muito atual e com boas bibliografias, um excelente instrumento de trabalho.  Confira a íntegra dos capítulos de Dowbor.
Leia mais

Dowbor – Audiência pública da Comissão de Direitos Humanos no Senado Federal – nov. 2017 – 13 min.

"A grande corrupção gera sua própria legalidade. Ela tem suficiente força política para dar aparência de legalidade a um processo que é destruidor para a economia", afirmou Dowbor, durante sua participação, em 7 de novembro de 2017, de audiência pública da Comissão de Direitos Humanos. A audiência, requerida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), partiu de uma proposta da Auditoria Cidadã da Dívida Pública.
Leia mais

Dowbor: Construção interativa de conhecimento em rede – In: Luciano Junqueira e Roberto Padula (orgs.) – Aprendizagem no ensino superior no século XXI – Tiki Books – São Paulo 2017, 350p. – ISBN 978-8513-6

Os desafios do ensino superior se deslocam profundamente, tanto pela centralidade do conhecimento no conjunto das atividades humanas, como pelas transformações tecnológicas que desmaterializaram o conhecimento e o tornam universalmente acessível, no quadro de uma conectividade generalizada. Aqui 16 artigos analisam esses desafios. Acesse aqui a íntegra do capítulo de Ladislau Dowbor "Construção interativa do conhecimento em rede"
Leia mais

Ladislau Dowbor – A era do capital improdutivo – Autonomia Literária, Outras Palavras, São Paulo 2017, 312p. – ISBN 978-85-69536-11-6

"A Era do Capital Improdutivo" resume um conjunto de pesquisas sobre o processo de financeirização no planeta e no Brasil. Os bancos e outras instituições de intermediação financeira, que já estiveram a serviço do sistema produtivo, passaram hoje a dominá-lo, extraindo por meio de juros e tarifas volumes de recursos incomparavelmente maiores do que a sua contribuição. Geramos uma sociedade dominada por rentistas improdutivos. O livro explicita em termos claros como funciona o sistema de drenagem dos recursos produtivos que gerou e aprofunda a crise. Não exige nenhum conhecimento particular de economia ou de finanças. Trata-se do nosso bolso, e isso qualquer cidadão entende. Aqui disponibilizamos o texto na íntegra. Para uso com alunos ou com grupos de pesquisa o acesso online facilita muito o trabalho. O texto online também facilita o acesso aos links com as fontes originais das pesquisas. O uso do livro impresso e o acesso online são formas essencialmente complementares. O livro está nas livrarias, e pode ser adquirido também diretamente com os editores.
Leia mais

Tânia Bacelar – “Nossa elite é interessante: todos liberais e dependentes do Estado” – Saiba Mais – 22.10.2017

A cientista social e economista pernambucana Tânia Bacelar priorizaria investimentos em infraestrutura e Educação para reduzir os efeitos da crise no Nordeste. Para ela, o impacto negativo só não foi maior em razão da pujança econômica do governo Lula na região, o que ainda segurou alguns indicadores.
Leia mais

Boaventura de Sousa Santos – A ilusória “Desglobalização” – Outras Palavras – out. 2017 3p.

No desgoverno geral que caracteriza a época, aparece com força o desajuste entre a globalização por um lado, e a fragmentação por outro. Os próprios governos tornam-se em boa parte impotentes e as populações frustradas. Boa análise do Boaventura publicada no site Outras Palavras.
Leia mais

Palestra Dowbor: O poder parasitário do sistema financeiro – Instituto Humanitas Unisinos – out 2017 – 1p.

A estranheza do tempo presente é tão grande que vivemos a época em que é o rabo que balança o cachorro. Quer entender como isso funciona em termos sociais e econômicos? O professor Ladislau Dowbor explica: “O sistema financeiro é de mediação, não produz nada. Então as áreas produtivas se tornam o meio para os especuladores ganharem dinheiro. Por isso eu digo, que é o rabo que balança o cachorro”, brinca Dowbor, ao fazer uma alegoria para demonstrar a centralidade do poder financeiro.
Leia mais

Laura Flanders – Next System Media: an Urgent Necessity – 13 Oct. 2017

The Next System Project nos Estados Unidos constitui uma plataforma que unifica pesquisas sobre as transformações necessárias para uma sociedade que funcione. O que está implícito no nome do movimento, é que o sistema atual já não responde. Aqui, em cerca de 10 páginas, uma das produções do Next System, sobre como repensar o sistema de comunicação e informação para a cidadania, frente ao oligopólio hoje constituído. O problema, evidentemente, não é só nosso. Bom material, em inglês.
Leia mais

Dowbor – A violência econômica: o poder dos juros e das corporações financeiras – ComCiência, SBPC, Labjor-Unicamp – Artigo-dossier nº 192, 9 de outubro de 2017, 4p

É estranho constatar que em todo o ciclo escolar, inclusive nas universidades, a não ser na área especializada em economia financeira, ninguém nunca teve uma aula sobre como funciona o dinheiro, principal força estruturante da nossa sociedade. A população se endivida muito para comprar pouco no volume final. A prestação ‘cabe no bolso’ (mas pesa no bolso durante muito tempo). O efeito demanda é travado. Quando 61 milhões de adultos no Brasil estão com o nome sujo no sistema de crédito, é o sistema que está deformado.
Leia mais

Entrevista Dowbor – Nesse cassino, só joga quem tem ficha – jornal Extra Classe /SINPRO/RS (Sindicato dos Professores do RGS) – jornalista Marcelo Mena Barreto – out. 2017, 4 p.

Quando Martin Wolf, comentarista-chefe de Economia do jornal britânico Financial Times que participa do Fórum de Davos desde 1999, escreve que o sistema financeiro atual perdeu a sua legitimidade, é mais do que uma grande propaganda para o novo livro de Ladislau Dowbor, A era do capital improdutivo (Outras Palavras & Autonomia Literária, 316p.). De certa forma é um facho de esperança sob um panorama tão sombrio que o economista e professor titular de pós-graduação da PUC São Paulo traça magistralmente em sua obra. Nesta entrevista ao Extra Classe, Dowbor mostra o quanto a acumulação de recursos através de um sistema financeiro que não produz nada e vive tão somente de papéis e juros sobre juros é maléfico, transformando-se em um grande poder do qual a sociedade como um todo se torna refém. O fato ainda de A era do capital improdutivo ter praticamente se esgotado em um mês, fazendo com que o editor providencie a segunda edição também é revelador. Sinal, como diz o professor, que ‘Deus e o mundo estão se dando conta de que esse sistema é improdutivo’, pois além de aniquilar a capacidade de produção e de pesquisas úteis para a sociedade, mantém a desigualdade e promove o desastre ambiental.
Leia mais

Documentário Brasil, o grande salto para trás – Brésil, Le grand bond en arrière – Frédérique Zingaro e Mathilde Bonnassieux – 2017 – 55 min. (legendado)

Documentário europeu sobre o golpe no Brasil e o atraso social, econômico e político que está sendo gerado. Independentemente de firulas jurídicas e aparências de ritos legais, o fato é que assumiu o poder e toma medidas absurdas um governo com 3% apenas de aprovação. No plano internacional a compreensão está finalmente se enraizando, de que um governo que toma medidas antipopulares e com esse nível de rejeição confirma a violação de procedimentos democráticos e caracteriza um golpe jurídico-parlamentar. Se não é golpe na origem, é golpe nos resultados. O silêncio das panelas é impressionante.
Leia mais

JAŚ KAPELA – OTUCHA: PROMYCZKI, CZYLI SKĄD BIORĘ NADZIEJĘ W ŚWIECIE ZMIERZAJĄCYM DO ZAGŁADY – 2017

Przyjemnie myśleć, że jeśli nawet wytniemy wszystkie lasy, zatrujemy wszystkie morza i wpuścimy tyle dwutlenku węgla do atmosfery, że planeta Ziemia przestanie być zdatna do życia dla ludzi, niebo wciąż będzie piękne.
Leia mais

Silvio Tendler – Privatizações: a Distopia do Capital – 2014 – 1h

Documentário questiona qual é o modelo econômico que o país quer construir para o futuro. O objetivo do cineasta é trazer para o debate público os discursos hegemônicos que permeiam as políticas econômicas, além de traçar um panorama histórico dos processos de privatizações que o país sofreu. Como Tendler observa, seus filmes têm a preocupação de refletir sobre o futuro. Neste caso, a ideia é discutir a possibilidade de reconstrução do Estado brasileiro.
Leia mais



Parceiros

© 2017 Ladislau Dowbor. Criação WowBrazil | Tema original Feelsen por Sérgio Vilar