👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
“Capitalismo falhou e precisa de uma reforma”
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

“Capitalismo falhou e precisa de uma reforma”

Ray Dalio fez um relatório em que destacou os motivos para o "sonho americano ter virado um pesadelo".
Autor
Ray Dalio
Tamanho
1 páginas
Originalmente publicado
Data
5 de abril, 2019

Não é só Delfim Netto, até o Ray Dalio, um dos grandes do mundo da especulação financeira – chamados educadamente de hedge funds – se deu conta que enriquecer só os de cima não funciona. Confira reportagem e o documento Why and How Capitalism Needs to Be Reformed.

– Prof. Ladislau Dowbor

“Capitalismo falhou e precisa de uma reforma”, diz líder do maior hedge fund do mundo

Informoney – 14/4/2019

Em relatório [ Why and How Capitalism Needs to Be Reformed ] , Dalio destacou que o capitalismo falhou e que precisa de uma reforma, destacando que o sonho americano virou uma espécie de pesadelo e os excessos capitalistas nos EUA criaram um problema existencial, levando a conflitos sociais bastante graves. Para ele, o sistema atual está dando resultados inconsistentes com os seus objetivos.

De acordo com ele, todas as “coisas boas”, quando levadas a um extremo,  podem ser autodestrutivas e que “tudo deve evoluir ou morrer”.

Para Dalio, o capitalismo agora não está funcionando para a maioria dos americanos porque está produzindo resultados inadequados. Isso porque, nos últimos anos, “o capitalismo está  produzindo espirais de alta para os que têm [oportunidades] e de baixa para os que não têm”. 

Isso, segundo ele, enfraquece a condição dos EUA, colocando “ameaças existenciais” ao país.

O gestor ainda aponta que “a maioria dos capitalistas não sabe dividir o bolo da economia e que a maioria dos socialistas não sabe bem como o fazer crescer”.

Porém, avalia, a alternativa a um entendimento entre as pessoas com ideologias diferentes poderá ser destrutiva. “Estamos agora numa situação em que ou a) as pessoas com diferentes inclinações ideológicas trabalham em conjunto para refazerem a engenharia do sistema para que o bolo seja bem dividido e cresça ou b) teremos um grande conflito e alguma forma de revolução que irá causar danos a quase toda a gente”, alerta. 

Para exemplificar o que ele classifica como falhas do capitalismo, Dalio cita a falta de crescimento da renda real dos americanos nas últimas décadas, a diferença do rendimento real entre os mais ricos e a classe média, os mais jovens estarem ganhando menos do que as gerações anteriores e, o que ele avalia como intolerável, o fato de que muitas crianças estão pobres, desnutridas e pouco educadas. 

Essa situação, por sinal, traz consequências negativas para a economia americana, como uma produtividade e rendimentos mais baixos. As consequências também são de saúde, avalia, com as desigualdades afetando a expectativa de vida e a continuidade de tratamentos médicos. Dalio afirma que, desde 1990, a proporção de americanos que abandonou tratamentos médicos para doenças graves por causa dos custos passou de 11% para 19%. 

Dalio aponta que essa situação coloca “um risco existencial aos EUA” e, no final de seu artigo, promete uma nova publicação com possíveis soluções para consertar o capitalismo.

O seu texto gerou uma forte repercussão nos últimos dias, também levando a diversas críticas. Uma delas foi feita pelo colunista da revista semanal britânica The Week James Pethokoukis. O articulista afirma que o ensaio é repleto de estatísticas econômicas duvidosas, exageradas e incompletas que abrangem a interpretação mais pessimista. 

Pethokoukis utiliza diversos estudos para contestar Dalio, entre dados sobre aumento de renda real nas últimas décadas e “a simples realidade de que se está vivendo melhor hoje do que décadas atrás. Por exemplo: o número de carros por família com renda abaixo da mediana dobrou desde 1980 e o número de quartos por domicílio cresceu 10%, apesar da diminuição do tamanho das residências”, avalia. 

Entre outros dados econômicos, o colunista conclui: “aqueles que se preocupam com a desigualdade costumam reclamar que as opiniões dos bilionários recebem muito peso na sociedade americana. Certamente, este é um caso em que eles deveriam ouvir suas próprias críticas”. Dalio despertou o debate – e mais uma vez a polêmica está instalada. 

Confira o relatório de Ray Dalio: Why and How Capitalism Needs to Be Reformed

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Pílulas Informativas
Guilherme Zocchio, João Peres e Victor Matioli
– 12 de setembro, 2020
– 2p.
O preço do arroz subiu em média 20%, o feijão preto 30%, num país que tem 160 milhões de hectares de solo agrícola subutilizado (5 vezes a Itália), e gente batalhando por terra. Não é um surto inflacionário geral, e sim balbúrdia política: desde o golpe, reduziram os estoques reguladores, liquidaram a política de garantia de preços ao produtor, aumentaram as exportações em detrimento do mercado interno. É reflexo da fragilização do apoio à agricultura familiar (PRONAF), do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), da ausência de política agrícola que não seja a grande exportação. A balbúrdia atinge o prato de comida.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.