👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
Explicitando a Previdência
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Explicitando a Previdência

Eduardo Fagnani, da Unicamp, um dos melhores conhecedores da previdência no Brasil, explicita o absurdo das propostas atuais. É aritmética. Paulo Guedes quer recuperar, com a reforma da previdência proposta, 1 trilhão em 10 anos. E quem vai pagar a conta não será quem deve, mas os idosos e outros que não têm armas para se defender. Faça as contas: só de isenções fiscais, estamos dando presentes de 350 bilhões de reais ao ano. A sonegação fiscal é da ordem de 500 bilhões. Os juros sobre a dívida pública, cerca de 350 bilhões. Só aqui já vamos bem além de 1 trilhão. E em paraísos fiscais as nossas elites têm cerca de 520 bilhões de dólares, quase dois trilhões de reais: nem investem nem pagam impostos. Afirmar que "sem a reforma da previdência, o Brasil quebra" é uma farsa. Aliás, só lembrando, Paulo Guedes é co-fundador do Banco BTG Pactual, que tem 38 filiais em paraísos fiscais. Paraísos fiscal serve para especulação financeira, evasão fiscal e lavagem de dinheiro.
Autor
Eduardo Fagnani
Duração
20 minutos
publicado EM
Data
1 de fevereiro, 2019

Eduardo Fagnani, da Unicamp, um dos melhores conhecedores da previdência no Brasil, explicita o absurdo das propostas atuais. É aritmética. Paulo Guedes quer recuperar, com a presente proposta, 1 trilhão em 10 anos. E quem vai pagar a conta não será quem deve, mas os idosos e outros que não têm armas para se defender. Faça as contas: só de isenções fiscais, estamos dando presentes de 350 bilhões de reais ao ano. A sonegação fiscal é da ordem de 500 bilhões. Os juros sobre a dívida pública, cerca de 400 bilhões (o “teto de gastos” exclui os juros). Só aqui já vamos bem além de 1 trilhão. Afirmar que “sem a reforma da previdência, o Brasil quebra” é uma farsa. E mais: resolver o problema sobre as costas dos mais frágeis é covardia. Veja o vídeo, 20 minutos não matam ninguém, os números estão resumidos a partir do minuto 14.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Pílulas Informativas
Guy Standing
– 1 de janeiro, 2016
– 12 min.
O excelente vídeo de 12 minutos de Guy Standing apresenta a transformação sistêmica do mundo do trabalho: onde ontem se falava em “proletariado”, com pelo menos um emprego formal, salário e direitos, hoje evolui rapidamente para “precariado”, caracterizando uma profunda mudança das relações sociais de produção. Isso nos afeta diretamente: o Brasil tem 212 milhões habitantes, e apenas 33 milhões de empregos formais no setor privado. As novas gerações, em particular, estão sendo empurradas para uma insegurança generalizada, com a precarização da inclusão produtiva. O vídeo é em inglês, mas com legendas que facilitam a compreensão da fala.
Pílulas Informativas
Guilherme Zocchio, João Peres e Victor Matioli
– 12 de setembro, 2020
– 2p.
O preço do arroz subiu em média 20%, o feijão preto 30%, num país que tem 160 milhões de hectares de solo agrícola subutilizado (5 vezes a Itália), e gente batalhando por terra. Não é um surto inflacionário geral, e sim balbúrdia política: desde o golpe, reduziram os estoques reguladores, liquidaram a política de garantia de preços ao produtor, aumentaram as exportações em detrimento do mercado interno. É reflexo da fragilização do apoio à agricultura familiar (PRONAF), do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), da ausência de política agrícola que não seja a grande exportação. A balbúrdia atinge o prato de comida.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.