👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
A difícil democracia na América Latina – setembro – 2013, 3p.
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A difícil democracia na América Latina – setembro – 2013, 3p.

Autor
Ladislau Dowbor
Tamanho
3 páginas
Originalmente publicado
Data

 

A difícil democracia na América Latina

Ladislau Dowbor

Allende agiu rigorosamente dentro da lei, foi um presidente que cumpriu a constituição do seu país. E cumpriu com igual rigor o programa para o qual foi eleito. Este programa envolvia essencialmente reduzir as desigualdades. E reduzir as desigualdades implica evidentemente não só distribuir a renda, mas assegurar acesso à terra, democratizar as relações de trabalho nas empresas, utilizar as matérias primas naturais – em particular o cobre – para que sirvam ao desenvolvimento do país e não apenas ao consumo de luxo de intermediários nacionais e ao fortalecimento de países mais ricos, em particular os Estados Unidos. Foi o suficiente para que fosse derrubado e morto, seguindo-se o elenco tétrico de assassinatos, sequestros, tortura e expropriações que conhecemos.(nota 1) 

Tudo foi feito em nome da defesa da democracia. Instalar uma ditadura e governar acima das leis em nome da democracia é em si impressionante. Curiosas democracias latino-americanas: se um governo decide governar democraticamente, ou seja, assegurar a função social da propriedade, reduzir as desigualdades, promover os direitos básicos de acesso à saúde, educação, cultura e semelhantes, é derrubado. Mas se, ainda que ostentando um programa progressista, mantém uma política de defesa dos privilegiados de sempre, ou seja, se não aplicar a constituição nem os preceitos democráticos, poderá sim continuar a governar. É uma variedade particular de democracia que se derruba apenas se quiser ser democrática, que se mantém apenas se não se usa. Na prática, é defesa dos privilégios na lei ou na marra.

Os Estados Unidos se tornaram o principal vetor de reprodução da desigualdade e de sobrevivência das oligarquias na América Latina. Somoza podia ser um ditador, mas estava do bom lado. Um comentário famoso de um empresário na época era que “he’s a son of a bitch, but he’s our son of a bitch”, que dispensa tradução. A maior democracia do mundo tornou-se a maior defensora de ditaduras. Hoje, com a abertura progressiva dos documentos do Congresso americano, fica bem documentada a intervenção americana no Chile, no Brasil e tantos outros países. Em nota para o embaixador americano em Santiago, Helms, diretor da CIA, escrevia: “Make the economy scream”, faça a economia gritar. Obedientemente, as dondocas de Santiago saiam à rua para o “panelaço”. Até o Irã teve recentemente direito a desculpas, pela derrubada do democraticamente eleito Mossadegh, gerando um caos político que dura até hoje.

Havia, naturalmente, a grande justificativa, o comunismo. Estava-se salvando o mundo livre. Hoje, com as análises mais objetivas do passado recente, se constata a que ponto era um espantalho que justificava tudo, e não uma realidade. A própria facilidade com que se impuseram os regimes militares em todos os países mostra a que ponto a ameaça era fictícia. Cuba, aliás, não tinha nenhum objetivo de se tornar comunista até ser tão pressionada pelos Estados Unidos, com invasão, atentados e bloqueio, que foi forçada para os braços da União Soviética como forma de sobrevivência. O que Castro tinha no horizonte político era justiça econômica e social. Goulart foi apresentado como ameaça comunista! Stephen Kinzer apresenta um excelente estudo comparativo de algumas dezenas de golpes ou invasões protagonizados durante o século XX pelos Estados Unidos, e constata que se tratava em geral de se opor não a comunistas mas a nacionalistas que queriam utilizar os seus recursos para os seus próprios povos. (nota 2) 

Há alguns anos me pediram para avaliar políticas sociais na Guatemala, no quadro de uma pesquisa do Unicef. Nas minhas reuniões com movimentos sociais guatemaltecos, organizados pelo escritório local das Nações Unidas, só tinha jovens. A velha guarda, lideranças indígenas, sindicais, até feministas, tinham sido liquidadas, basicamente por milícias e esquadrões da morte financiadas pelos Estados Unidos, através entre outros da United Fruit, hoje rebatizada, a conselho das empresas de imagem corporativa, como Chiquita. Mataram 200 mil pessoas, 35 mil estão desaparecidas. O mesmo Stephen Kinzer publicou uma pesquisa detalhada sobre o envolvimento americano na Guatemala. (nota 3)

Hoje, é claro, temos o terrorismo. Este Bin Laden foi um achado. Permite aos fanáticos de um lado jogarem gasolina na vontade incendiária de outro, e a direita conservadora americana renova a sua justificativa de espionar, invadir, assassinar com drones – é prático, permite travar a guerra sem precisar pisar no território alheio – tudo em nome de nos proteger dos terroristas que nos querem matar. No Iraq se constituiu uma rede de centros de tortura e esquadrões da morte, coordenada pelo mesmo militar que montou um sistema similar em El Salvador. Abu Ghraib, Guantânamo se tornaram centros oficiais de tortura, frequentemente terceirizada no Mossad israelense ou em serviços de países amigos.

As pessoas não têm a dimensão das proporções. Acho o atentado das torres de Nova Iorque uma tragédia, sobretudo porque justifica mais tragédias. Mas temos hoje um bilhão de pessoas que passam fome, dentre elas 180 milhões de crianças, e destas entre 10 e 11 milhões morrem de fome ou de doenças conexas todo ano. As crianças mortas são o equivalente de oito atentados de Nova Iorque por dia. Se se gastasse um décimo do que se gasta com o terrorismo…

Por trás de cada atentado, de cada figura heroica que tentou trazer uma vida decente, democracia e justiça social para o seu povo, os Allende, Lumumba, Cabral, Arbenz, Luther King e tantos outros, se ergue uma imensa muralha de hipocrisia, de justificativas absurdas para o eterno adiamento da democratização efetiva das nossas sociedades.

Notas


1) Para os detalhes do golpe, ver o excelente artigo de Hugh O’Shaughnessy, no Guardian, 7 de set. de 2013. Além de testemunha ocular, é autor de um dos melhores livros sobre o drama, Pinochet: the Politics of Torture. New York University, 2000 https://www.theguardian.com/world/2013/sep/07/chile-coup-pinochet-allende

2) Stephen Kinzer – Overthrow: America’s Century of Regime Change, from Hawai to Iraq, Times Books, New York, 2006, Ver resenha em https://dowbor.org/2006/07/overthrow-americas-century-of-regime-change-from-hawaii-to-iraq-golpe-de-estado-um-seculo-de-derrubada-de-regimes-de-hawai-ate-o-iraque-384-p.html/

3) Stephen Kinzer – Bitter Fruit: the untold story of the American coup in Guatemala, New York, David Rockefeller Center, 2005 (expanded edition).

 

Fonte: https://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=22667

2 respostas

  1. Jacques Lacan, defendia que comunicação existe entre os seres, mas o que realmente nos diferencia (os humanos) é o discurso. Muita coisa pode ser dita sobre isso.

    De forma ingênua, creio que hoje precisamos de um discurso livre de qualquer “…cracia” e livre de qualquer ideologia sectária. Precisamos de um discurso que seja tão hegemônico quanto o Dólar. Sim, um discurso que circule na casas dos países do Norte e nas casa dos países do Sul, nas salas dos pobres e dos ricos, nas conversas do subjugados e dos poderosos, que seja comum tanto para os “haves” como para os “havenots”.

    O significado do Dólar é hegemônico, o significado de liberdade, do social, de comunidade, solidariedade, amor, lealdade, honestidade, ética, propósito,direito, obrigação, governo, cidadania, fora do dicionário, ganha a dimensão que cada individuo lhes dão, de acordo com sua própria visão e sua história de vida.

    Ingenuamente, defendo que este deve ser o debate de hoje, para que nossas futuras gerações não herdem mais podridão, desigualdade e diferenças e indiferenças. Temos que agir como se o mundo fosse terminar amanhã. Menos avaliações parciais, menos críticas parciais,menos publicações com parcialidade, e mais ações em prol de uma consciência que propague a hegemonia do bem. do bom, do belo, do útil, do agradável. o Dólar da vida e da felicidade.

    Estamos com alguns milênios de história pra continuar com a ineficiência dos discursos que perduram até nossos dias. Vivemos de guera e conflitos, e agora ainda burilam o terrorismo e a violência que aprisiona as pessoas atrás das grades nas janelas de suas próprias casas, achando isso normal.

    Não matam somente, todas as lideranças como fizeram na Guatemala, matam sobretudo e a cada dia os ideais do bem (só bem, sem interpretações), enterrando-os nos terrenos pútridos do consumismo, do status social, dos sete pecados capitais (mas não os da religião)e sobretudo no pior dos terrenos pútridos, que é o da rejeição de conversas onde reflexões aprofundadas conduzem a ações efetivas, sem estrelismos, sem individualismo, sem defesas de interesses pessoais.

    Difícil, mas possível. Hoje e agora. Precisamos complicar menos o discurso, e torná-lo acessível. Como no caso das ditaduras, como é possível que milhões tenham se sujeitado a alguns poucos? Que mão invisível é essa? E como é que seu poder atua? Qual é sua onda de frequência sobre cérebro humano?

    Enquanto os problemas de cada um (que fique bem claro, os imprevisíveis) não forem também os problemas do outro, se os problemas dos outros humanos não forem os meus problemas, então realmente será difícil.

    Difícil. Mas acho mais difícil negar que as ditaduras preponderaram, mais pelo medo que cada um tinha do seu vizinho, do que pela força que os grupos sadomasoquistas, inconsequentes, de futuro incerto e nada fraternos, realmente tinham.

    É preciso um discurso, hegemônico, um discurso e não uma lavagem cerebral, tão fácil de ser entendido, que lote estádios,ocupe os horários nobres,que seja fundo dos comerciais, que estampe as capas das revistas, que permeia a fala dos gurus, dos pais, do jovem, do maduro, em todos os gêneros, que esteja no topo da lista.

    Um discurso para vida, para a liberdade de ser e de decidir, um discurso para a felicidade, um discurso que todos entendam como o Dólar e que todos tenham como conduta, como o oxigênio vital que se respira. Já, não para daqui a 10 gerações quânticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Artigos
Ladislau Dowbor
– 22 de julho, 2021
– 5p.
Quem diria: nos próprios EUA, a ideia de que os Estados “só podem gastar o que arrecadam” – mito central da ditadura financeira – balança. Abre-se espaço para a mudança, começando por serviços públicos de excelência e Renda Básica.
Artigos
Ladislau Dowbor
– 9 de julho, 2021
– 2p.
Atualmente, estamos enfrentando uma convergência de tendências críticas: destruição do meio ambiente, explosão da desigualdade, caos financeiro, a erosão da democracia e, claro, a pandemia. Mas olhar para trás, para as tendências históricas, nos dá uma ferramenta poderosa para uma melhor compreensão de nossos desafios. A economia é essencialmente sobre política.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.