👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
Compartilhamento do conhecimento: desafios para a educação
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Compartilhamento do conhecimento: desafios para a educação

A tese é resultado do trabalho de pesquisa no intuito de refletir acerca dos desafios postos à educação pelos processos de mercantilização e democratização do conhecimento. Discute de que maneira o conhecimento, como bem imaterial, nasce livre, e vai se tornando uma mercadoria por meio do movimento de mercantilização.
Autor
Anderson Fernandes de Alencar
Tamanho
352 páginas
Originalmente publicado
Data
2 de agosto, 2012

Tese de doutorado em Educação defendida em 2 de agosto de 2012 na FEUSP. Banca composta por Moacir Gadotti (orientador), Sérgio Amadeu, Pablo Ortellado e Ladislau Dowbor.

Alencar trabalha no Instituto Paulo Freire. Cinquenta anos atrás, Paulo Freire mostrava que o acesso às letras e à cultura era um caminho de libertação. Na era das TICs, que novas formas assume este acesso? Hoje se fala em analfabetismo digital. Se na era da economia fabril o acesso já era essencial, na atual economia do conhecimento torna-se uma questão de sobrevivência.

Os diversos tipos de oligopólios descobrem com isto que colocar pedágios sobre o acesso ao conhecimento, sob forma de copyright, patentes e royalties de diversos tipos pode ser muito lucrativo. É a economia do pedágio, controlada por quem produz não o conhecimento, mas o seu suporte material, e busca proibir o acesso livre por meios magnéticos. O tema é essencial.

No dizer de Anderson de Alencar, “o conhecimento como bem comum da humanidade, está sob ameaça”, o que aponta para uma pedagogia do compartilhamento, equilibrando criatividade, acesso, justa remuneração e validação dos trabalhos. Na realidade, o conhecimento, contrariamente aos fatores tradicionais de produção como matéria prima e trabalho físico, é um fator de produção cujo consumo não reduz o estoque.

O conhecimento que eu passo para alguém, continua comigo. Com isto as regras do jogo mudam profundamente, e o compartilhamento torna-se o paradigma central. A educação, cuja matéria prima é o conhecimento, está no centro destas mudanças. A tese do Alencar, bem documentada e organizada, ajuda muito a traçar os rumos desta transformação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Pesquisas Conexas
Arnaldo Nogueira, Ricardo Favoreto
– 3 de junho, 2019
– 6p.
O livro denuncia desacertos e também apresenta propostas. Aponta como indispensável a recuperação da produtividade da economia, que, a permanecer como está, tende a nos manter encurralados, sob o jugo do sistema financeiro.
Pesquisas Conexas
Pedro Saad (orientador: Ladislau Dowbor)
– 11 de setembro, 2018
– 124p.
O engajamento de empresas e investidores em ações sustentáveis em prol dos ODS é necessário e urgente. Temos Plena consciência de que enfrentar os problemas econômicos, sociais e ambientais que estão ligados à extrema pobreza e à desigualdade representam um enorme desafio e requerem massivos investimentos.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.