👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
Bancos Comunitários de desenvolvimento
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Bancos Comunitários de desenvolvimento

Autor
Ladislau Dowbor
Tamanho
Originalmente publicado
Data

Dissertação de Mestrado em Administração, FGV-SP, defendida em fevereiro de 2011, orientação de Marta Farah, banca Lauro Faria.Contato garaciadmp@yahoo.com.br

Daniel Garcia analisou três bancos comunitários recém instalados em São Paulo (2009). Vale a pena estudar uma experiência tão recente? Não pelos resultados, sem dúvida, mas sim pela análise da dificuldade que é implantar uma experiência inovadora. Primeiro, a dificuldade cultural. As pessoas estão acostumadas ao banco como distante, com ar condicionado, cheio de seguranças e portas giratórias. Aparece uma salinha simpática, mas sem a pompa associada ao banco. As pessoas brincam que só se houver um assalto é que vão achar que é banco mesmo. Ver em entrevistas esta lenta mudança cultural é interessante. As pessoas só aos poucos redescobrem que o dinheiro é delas, não do banco. Pouquinho dinheiro, mas acessível, lá em baixo da escala social, faz muita diferença. E entender os seus direitos faz uma enorme diferença. Outra questão levantada, é a dependência na criação.

 

Os parteiros, no caso, o SNAES (o dinheiro) e as universidadess (apoio técnico), articulam-se com os movimentos comunitários que precisam se apropriar do processo e se tornarem autônomos. É um equilíbrio precário entre “ajudar” excessivamente gerando dependência, e a passividade que não estimula. É preciso sim ajudar a gerar oportunidades, mas respeitar a iniciativa. A transição entre pequenos empréstimos e a promoção de emprego e renda é outro ponto sensível, que exigiria então a convergência com outros apoios no território, na linha do nosso “Produtividade sistêmica do território” (neste site, sob Artigos Online). O estudo do Daniel é mais um aporte à lenta e sistemática construção da inclusão produtiva, da redução da desigualdade. São novas arquiteturas financeiras que emergem, fora do cartel comercial. Neste mesmo “Pesquisas Conexas”, veja os estudos de Flávio Fopguel e de Claiton de Mello. O contato do Daniel, para quem quiser acessar o texto, é garciadmp@yahoo.com.br

Autor: Daniel Bruno Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Pesquisas Conexas
Arnaldo Nogueira, Ricardo Favoreto
– 3 de junho, 2019
– 6p.
O livro denuncia desacertos e também apresenta propostas. Aponta como indispensável a recuperação da produtividade da economia, que, a permanecer como está, tende a nos manter encurralados, sob o jugo do sistema financeiro.
Pesquisas Conexas
Pedro Saad (orientador: Ladislau Dowbor)
– 11 de setembro, 2018
– 124p.
O engajamento de empresas e investidores em ações sustentáveis em prol dos ODS é necessário e urgente. Temos Plena consciência de que enfrentar os problemas econômicos, sociais e ambientais que estão ligados à extrema pobreza e à desigualdade representam um enorme desafio e requerem massivos investimentos.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.