👏  Seja bem-vindo(a) ao nosso novo site! O site antigo ainda pode ser acessado aqui. Leia sobre o novo design do site e envie a sua opinião.
O site antigo ainda pode ser acessado aqui.
The Future of Life (o futuro da vida)
Menu
SHARE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

The Future of Life (o futuro da vida)

Autor
Ladislau Dowbor
Tamanho
Editora
Ano

Autor: Edward O. Wilson

Alfred Knopf, New York, 2002, 0-679-45078-5,

O livro de Edward Wilson, O Futuro da Vida, é antes de tudo bonito. Todos os dados sobre o nosso drama ambiental estão aí, mas o texto flui. São destes autores que conseguem informar bem, sem ser chatos. E a imagem que resulta, uma visão de conjunto da nossa problemática ambiental, é muito rica.

O livro já tem uma edição brasileia, tornando-se mais acessível, e mais fácil de recomendar para alunos e amigos. As páginas mencionadas aqui se referem à edição original.

Wilson não é um sonhador inimigo da tecnologia. Mas reconhece os problemas que esta tecnologia gerou, e a necessidade dela nos ajudar a resolvê-los. Um dos problemas mencionados é a nossa “pegada” (footprint): o ser humano, para sobreviver, ocupa espaço de residência, espaço de culturas e outros, totalizando 2,1 hectares por pessoa, como média mundial. O norte-americano precisa de 9,6 hectares. Se formos seguir o modêlo americano, hoje já precisaríamos de 4 terras.

A verdade é que tardamos muito em tomar consciência da enrascada em que nos metemos: “A humanidade tem jogado, até agora, o papel de destruidor do planeta, preocupado apenas com a sua própria sobrevivência no curto prazo”. (p.102) É também uma visão estreita, que não leva em conta as dimensões além do econômico.

O dilema, na realidade, é moral: “Como no caso de todas as grandes decisões, a questão é moral. A ciência e a tecnologia fazem parte do que podemos fazer; a moral é aquilo que concordamos que deveríamos ou não deveríamos fazer.” (p.130).

É simplesmente gostoso ler um livro onde as informações são seriamente organizadas, mas sobretudo onde os valores são explícitos, pé-no-chão, rompendo com o cinismo ou o tecnicismo idiota que nos cercam. Wilson se insurge contra os mitos que nos cercam. Exemplo: “O americano médio paga dois mil dólares por ano em subsídios, desmentindo a crença de que a economia americana funciona com um mercado competitivo realmente livre” p.184). Emanifesta claramente o seu apoio aos que protestam: “Arriscando-me a parecer politicamente correto, escreve Wilson, vou fechar (este livro) com um tributo aos grupos de protesto…Os grupos de protesto constituem um sistema de alerta para a economia natural. São a resposta imunológica do mundo vivo. Eles pedem que os escutemos”.(p.188)

Desde “O Nosso Futuro Comum”, que continua leitura essencial apesar do tempo (1990), não surgia uma leitura tão rica e abrangente, permitindo que nos atualizemos de maneira simples e direta com o mundo do meio-amibente, que aliás é o mundo da nossa sobrevivência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Receba recomendações de leitura no seu email.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.
Resenhas
Dag Oistein Endsjo
– 15 de maio, 2014
– 373p.
Esse livro é um estudo em profundidade de como o uso político e comercial da nossa intimidade espiritual e amorosa se manifesta nas diversas religiões e em diversas épocas, nos ajuda a entender as dinâmicas sociais e políticas no sentido mais amplo. Muito bem escrito e traduzido, leitura que flui. Vale a pena.
Resenhas
OECD
– 26 de outubro, 2020
– 254p.
Está disponível o amplo relatório A Caminho da Era Digital no Brasil, elaborado pela OCDE, que aponta os atrasos, avanços e caminhos para o que constitui o principal vetor de transformação estrutural da economia e da sociedade no mundo.
Assine a newsletter e faça parte da nossa comunidade.
Nós não compartilhamos o seu email com ninguém. Você receberá em média um email por mês.