Marcos Sorrentino, Maria Henriqueta Raymundo, Simone Portugal, Fernanda de Moraes e Rafael Falcão da Silva (Orgs.) – Educação, agroecologia e bem viver: transição ambientalista para sociedades sustentáveis – USP/ESALQ/CNPq, Piracicaba 2018,343 p. ISBN 978-85-54939-00-7

O curto prazo domina. Na agricultura, que depende da manutenção da fertilidade do solo no longo prazo, isso pode ser crítico. Só nas áreas de semi-árido do planeta estamos esterilizando cerca de 70 mil quilômetros quadrados de solo agrícola por ano. O uso excessivo ou irresponsável de agrotóxicos envenena a vida e contamina as águas. O mundo rural tem de ser repensado numa visão de harmonia entre a atividade econômica produtiva, a base viva do solo e a sociedade. Os organizadores juntaram aqui 20 textos de grande interesse para uma compreensão da agroecologia, e produziram um excelente instrumento de trabalho em particular para quem trabalha com educação ambiental ou com cursos de agronomia. O capítulo de Ladislau Dowbor, “A difícil transição para sociedades sustentáveis“, apresenta o contexto econômico dessas transformações.

Confira a íntegra do capítulo aqui.