facebook A Terceira Margem: em busca do ecodesenvolvimento   Ignacy Sachs, Ed. Companhias das Letras, São Paulo, 2009, ISBN 978 85359 1552 51google A Terceira Margem: em busca do ecodesenvolvimento   Ignacy Sachs, Ed. Companhias das Letras, São Paulo, 2009, ISBN 978 85359 1552 50twitter A Terceira Margem: em busca do ecodesenvolvimento   Ignacy Sachs, Ed. Companhias das Letras, São Paulo, 2009, ISBN 978 85359 1552 50email A Terceira Margem: em busca do ecodesenvolvimento   Ignacy Sachs, Ed. Companhias das Letras, São Paulo, 2009, ISBN 978 85359 1552 5print A Terceira Margem: em busca do ecodesenvolvimento   Ignacy Sachs, Ed. Companhias das Letras, São Paulo, 2009, ISBN 978 85359 1552 5

Ignacy Sachs tem, neste ano de 2009, 81 anos de idade. Independentemente da sua impressionante vitalidade criativa, é um pedaço de história. Na realidade, através do seu estudo autobiográfico, é todo o panorama de evolução das ciências sociais que se descortina, basicamente da II Guerra Mundial para cá, na ótica da esquerda, e com o enfoque tão importante dos que buscam alternativas sem acreditar em catecismos. É claramente uma pessoa que tem buscado aproveitar todas as oportunidades para fazer avançar uma agenda progressista.

Bem escrito e bem editado, este livro se lê num fim de semana, forma simpática de fazer um zoom histórico, forma prática de vermos em perspectiva os males que enfrentamos hoje. O que melhor relacionado do que a batalha de Sachs pelo “ecodesenvolvimento” na conferência de Estocolmo em 1972, e a nossa batalha presente pela redução do aquecimento global e a conferência de Copenhague? É a continuidade dos desafios.

A “terceira margem” do título vem da própria trajetória do autor, que viveu o suficiente no socialismo burocrático da Polônia, colaborando com Kalecki e outros, para ter uma visão crítica deste processos; e que vive no capitalismo atual que o deixa ainda mais crítico. Há, segundo Sachs, muitas soluções numa “terceira margem” que aproveite diversos aportes. São novos rumos que temos de buscar e construir.

Algmas pérolas, como “tira-gosto”:

Sobre a teoria: “É muito fácil promover grandes debates maniqueistas entre o bem e o mal. Mas os verdadeiros problemas começam quando devemos formular propostas concretas de ação, portanto no exercício do que chamo voluntarismo responsável. Alguns chamam a isso pragmatismos. Que seja.” (118)”

Sobre o consumo: “Quanto é suficiednte? É uma questão muito gandhiana que traz à baila os dois últimos séculos da filosfia social dominante no Ocidente. Pois, com poucas exceções, os pensadores liberais e os marxistas concordam em ver na escalada ininterrupta de aspirações, necessidades e consumo, um critério de progresso…Todas as atividades humanas têm um substrato físico e energético, e portanto ecológico, do qual é impossível abstrair”.(259)

Sobre o papel do Estado: “Meu interesse pela economia social deriva de minha fidelidade ao papel do Estado, enxuto, desburocratizado, limpo mas ativo, do respeito por certo planejamento descentralizado e não autoritário, sobretudo, das diferentes formas de cooperação que a sociedade civil pode e deve experimentar”. (267)

Sobre o papel do território: “Penso que devemos atentar para a boa articulação dos espaços de desenvolvimento, do local ao planetário, passando pelo regional e pelo nacional. Devemos tomar como ponto de partida o planetário e descer progressivamente para o local? Ou, ao contrário, partir do local e subir ao global? A interação entre esses dois procedimentos é essencial para o estabelecimento de um sistema de regulação eficiente”. (268)

Sobre a organização do tempo: “O estudo comparativo dos modelos culturais da utilização dos tempos é um magnífico campo de trabalho, abrindo uma perspectiva para a diversidade cultural e as margens de liberdade que um dia se oferecerção a nós quando conseguirmos reduzir de modo controlado a obrigação de trabalho heterônimo. E conseguirmos uma reorganização flexível dos tempos de vida, um outro recorte do dia, da semana e do ano de trabalho”.(269)

Sobre a social-democracia: “Infelizmente, construimos uma Europa mais thatcheriana, enfeudada na idéia da concorrência e pregando a privatização dos serviços públicos. Isso se fez num momento em que a maioria dos paíse da Europa ocidental era governada por partidos que se identificavam com a social-democracia. É preciso gritar em alto e bom som que deixamos escapar uma chance histórica de constuir a Europa social, uma Europa que seria administrada com outros princípios que não os da economia de mercado desenfreada”. (274)

A articulação dos desafios urbano e rural: “Já não se sabe onde acaba o campo e onde começa a cidade, a supor que esse enfoque dicotômico tenha sentido…Seria preciso empregar o termo “urbanização” de modo mais rigoroso e estrito, reservando-o aos que têm um teto, um emprego decente e a possibilidade real de exercíco de cidadania.” (286)

Como outros autores cujos aportes temos sistematizado no nosso ensaio “Democracia Econômica”, Ignacy Sachs articula as dinâmicas e potenciais que abrem as novas tecnologias, as formas renovadas de gestão social, e os indispensáveis valores éticos que temos de incorporar nos nossos processos decisórios.