Uma análise sucinta do IPEA sobre a crise, com breve avaliação do processo que a deflagrou (focando mais o mecanismo de deflagração do que as causas mais amplas), e uma sistematização das políticas anticíclicas adotadas por alguns países desenvolvidos. Segue uma visão mais detalhada da situação da China, da Russia, da Índia, da África do Sul e do Brasil. O Brasil encontra-se relativamente mais forte no enfrentamento, pois a política distributiva de renda, a elevação do salário mínimo e a ampliação dos investimentos reduziram a vulnerabilidade às perturbações externas. O estudo termina com alguns cálculos de cenários possíveis para macrovariáveis no Brasil. O documento também pode ser acessado em:
http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/comunicado_presidencia/09_01_20_AcriseInternacional.pdf