The Pathological Pursuit of Profit and Power

Joel Bakan, Free Press (Simon and Schuster) www.thecorporation.tv , New York, 2004, 0-7432-4744-2

Trata-se de um livro e de um filme, pois sobre a base do livro de Joel Bakan foi produzido um documentário de 1:20h. Ambos de primeira qualidade.

Primeiro, sobre o filme: The Corporation, que saiu na televisão (HBO) em julho de 2004, constitui uma inovação, pois apesar de filme, pela densidade informativa e estrutura dos argumentos, equivale a um curso de economia internacional focando as empresas transnacionais. Raramente vi um trabalho desta qualidade. Conseguiram reunir a criatividade de Mike Moore (Tiros em Columbine, Fahrenheit 9/11), e aportes científicos de Joel Bakan, Howard Zinn, David Korten, Jeremy Rifkin, Noam Chomsky, ou seja, a primeira linha de uma geração de pesquisadores que decidiram ir além da sala de aula e do partido político, e se dirigir diretamente ao público.

O documentário traz também as visões contraditórias de Milton Friedman, do presidente da Nike, da Shell, além de visões de grandes empresas de publicidade. O livro de Bakan serviu de guia geral, ordenando os grandes grupos de argumentos: como se gerou a dominância da corporação, como se tomam as decisões e a dominância quase exclusiva do motivo de lucro (o “bottom line”), a externalização dos custos para a sociedade, as implicações de um poder político e econômico que por definição legal não é controlado, a publicidade como instrumento de poder, a recente expansão do poder corporativo.

O resultado é brilhante, pois uma coisa é apresentar visões teóricas em livro, outra coisa é ver os argumentos ilustrados com falas diretas das pessoas envolvidas, com imagens dos impactos sociais ou ambientais e assim por diante. Temos pela primeira vez um poderoso instrumento didático e informativo sobre o mundo das corporações, instrumento que podemos utlizar em sala de aula, em conferências e reuniões técnicas. O acesso é www.thecorporation.tv ou na HBO, que apresentou o filme já legendado em português.

O livro de Joel Bakan é curto, denso, muito bem documentado, e de leitura extremamente fácil e agradável. Já sugerimos à Editora Vozes a publicação em português, esperemos que logo possamos tê-lo para divulgação mais ampla. Em termos de linha teórica, dá sequência ao excelente livro de David Korten, Quando as Corporações Regem o Mundo (ver resenha nesta página), a um conjunto de pesquisas que curiosamente não vêm de tradições partidárias de esquerda, antes são pessoas do sistema, que adquiriram familiaridade sobre o seu funcionamento, e decidiram que isto não pode continuar. Pensamos aqui, além dos já mencionados acima, em John Galbraith, Paul Krugman, Joseph Stiglitz, Herman Daly, Hazel Henderson e tantos outros que estão reescrevendo os paradigmas econômicos da nossa sociedade. Claramente, está se construindo uma nova visão, que tem talvez pouco a ver com as simplificações tradicionais da esquerda, mas que guardam os ideais e os enraizam em dinâmicas mais realistas.

A importância do aporte do livro e do filme prende-se também ao fato que as empresas transnacionais controlam o essencial do cerca de um trilhão de dólares gastos com marketing e publicidade no mundo, gerando um dilúvio de mensagens favoráveis à grande empresa, e assegurando indiretamente uma ampla auto-censura dos meios de comunicação quando se trata de avaliar políticas de grandes empresas, que afinal das contas pagam a publicidade. Esta publicidade, embutida nos preços, é naturalmente paga por nós, consumidores, mas o poder de controle fica na empresa que a contrata. O resultado é que o maior poder organizado atualmente no planeta – a corporação transnacional – é também o menos conhecido na sua estrutura, mecanismos de gestão, relacionamentos com poder político e midiático, impactos ambientais e assim por diante.

Podemos gostar ou não, mas não podemos ficar na ignorância de como se dá a dinâmica de poder e de transformação estrutural do planeta através da corporação. Temos agora dois excelentes instrumentos de informação – o filme e o livro – ambos acessíveis no site www.thecorporation.tv . Para que cansou das visões idílicas do Total Quality Management, Kan Ban, Kaizen, Just in Time, Knowledge Organization, down-sizing, reengineering e outros conceitos que só nos remetem à eficiência, e esquecem de dizer para quem, com que fins, e com que resultados para a sociedade, temos agora sólidos instrumentos de informação. Bom filme, boa leitura.