Um estudo bastante demolidor das virtudes do mercado, ainda que o sub-título, “virtues and limits of markets”, sugira uma visão mais equilibrada. Um dos elementos mais ricos do livro talvez seja o cruzamento dos mecanismos de mercado com valores sociais: “As good a neoclassical economist as Arthur Okun could write that “the market needs a place, and the market needs to be kept in its place.” Human society plainly needs norms of behavior other than the short-term, instrumental and purely egoistic norms of the market” (p. 39) Outra visão no mesmo tom: “Consumers have wants. Citizens have values”.

Particularmente interessante é a distinção do autor entre níveis de eficiência (ou ineficiência) do mercado na visão original de A. Smith (eficiência micro do padeiro); na visão keynesiana (ineficiências geradas por insuficiente capacidade de compra, baixa taxa de crescimento e alto desemprego); e na visão de Schumpeter, quando a visão de curto prazo de “casinolike capital markets” prejudicam o progresso tecnológico.(p.24 e seg.). De certa forma, o raciocínio de Kuttner permite sair do nível de equilíbrios conjunturais de curto prazo entre oferta e procura (Smith), para analisar os impactos estruturais em termos de desequilíbrios macro-econômicos (Keynes)e de opções de alocação de fatores e produtividade sistêmica (Schumpeter).

O livro é muito legível, inclusive para não economistas. São 409 páginas, os americanos raramente são comedidos. O amigo Ignacy Sachs me recomendou este livro, eu também recomendo.